ATO EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA!

No dia 31 de maio de 2022, adiou-se a discussão da cobrança de mensalidades em universidades públicas (PEC206/19) até o próximo ano. Muitos consideraram esse fato uma vitória. Todavia, não devemos entender um adiamento como a destruição desse Projeto Político em nome do capital.
Se faz necessário o resgate de alguns cortes feitos no ensino público pelo atual governo. Em 2019, ocorreram cortes de R$ 5,839 bilhões na Educação, ou seja, 25% do orçamento (decreto 9.741). Agora, maio de 2022, o governo corta novamente um montante de R$3,2 bilhões do orçamento do MEC, reduzindo a verba do Ensino Superior em R$ 1 bilhão. Esse novo corte representa um bloqueio de 14,5% do orçamento nos Institutos Federais. Para a UFLA, são R$9 milhões a menos para utilizar em áreas desde a manutenção do espaço universitário até a assistência estudantil.
Depois de constatar que os cortes em áreas essenciais são constantes, nos perguntamos: Será que essas áreas realmente são os únicos lugares possíveis para o Governo Federal mexer e manter o vil “teto de gastos”? Obviamente não! Somente de “Orçamento Secreto” foram gastos R$ 3,65 bilhões, entre o período de 2020 e 2021!. Somando-se a essas emendas, 2022 também terá a “Emenda Pix”, que destinará R$ 3,2 bilhões para prefeituras que, pela primeira vez, receberão recursos passíveis de serem utilizados em pleno ano de campanha eleitoral, sem qualquer tipo de fiscalização e controle.
Existem também outras questões que nunca saem do papel, como a taxação de lucros e dividendos de empresas, ou a cobrança de imposto sobre grandes fortunas. Consequentemente, fica claro que vivemos em meio a um projeto político que não moverá “um mísero dedinho” para garantir nossa dignidade!
Portanto, a proposta de cobrança de mensalidades nas UFs, o aumento das tarifas nos RUs, os cortes na educação e a focalização de recursos em determinadas áreas no lugar da expansão/universalização dos direitos, são um dos lados da moeda da desigualdade, que do outro mantém orçamentos secretos para manutenção da economia burguesa. Por isso, vamos unir nossa voz contra esse projeto no dia 09 de junho, por uma Universidade Popular!

#contraoscortes #pec206não

 

Notícias Relacionadas

Disponível em <https://sindufla.org.br/2022/06/15/ocupa-brasilia/> Acesso: 28/06/2022 às 14:36